Não categorizado

ULCERAS DIGITAIS PREVÊ COMPLICAÇÕES NA ESCLEROSE SISTÊMICA

Úlceras digitais prevê complicações Esclerose Sistêmica

Úlceras crônicas associadas a altas taxas de gangrena, amputação

Pontos de ação

Pacientes com esclerose sistêmica (ES) que têm úlceras digitais crônicas experimentar altas taxas de complicações graves e uso de medicamentos, um estudo europeu retrospectiva encontrados.

Entre uma coorte de quase 1.500 pacientes com ES que ou tinha um histórico de úlcera ou úlceras digitais presentes no momento da inscrição e que foram acompanhados por 2 anos, gangrena e amputação foram relatados em 22% e 15,9% dos que tinham úlceras presentes na cada visita de acompanhamento clínica em comparação com 1,5% para ambos os desfechos entre os pacientes que não tinham novas úlceras em qualquer visita de estudo, de acordo com Marco Matucci-Cerinic, MD, da Universidade de Florença, e colegas.Universidade de Florença, e colegas.

E no grupo de úlcera crônica, medicamentos para a dor foram utilizados por 77,4% em comparação com 23% do grupo sem novas úlceras, relataram os pesquisadores on-line narevista Annals of the Rheumatic Diseases.

Até a metade dos pacientes com ES desenvolver úlceras digitais, que podem ser persistente ou recorrente.

“Vários estudos têm mostrado que as úlceras digitais estão associados com carga significativa, com complicações como infecção, gangrena e amputação que levam à redução da qualidade de vida devido à dor e incapacidade, um aumento da frequência de hospitalização, e cardiovascular piora e diminuição da sobrevivência” escreveram os pesquisadores.

Embora alguns estudos têm tentado estabelecer sistemas de classificação para úlceras digitais CCD, de acordo com factores tais como a origem da úlcera e características físicas, com o objetivo de ajudar os clínicos na avaliação de prognóstico e tratamento escolhas, as aplicações clínicas, até agora, têm sido limitados.

“Há uma necessidade de se categorizar os pacientes de uma forma que permite ao médico determinar quais grupos de pacientes são susceptíveis de ter aumentado a carga da doença e, portanto, precisa de uma gestão mais complexa”, eles afirmaram.

Para atender a essa necessidade não atendida, Matucci-Cerinic e colegas analisaram dados do Registro Resultado úlceras digitais, que envolveu 4.500 pacientes de quase 400 centros europeus entre 2008 e 2013, identificando 1.459 que tiveram pelo menos 2 anos de follow-up e, pelo menos, três clínica visitas durante esse período.

Eles identificaram quatro padrões de úlceras digitais: o grupo sem úlceras não tinha úlceras prevalentes e incidentes durante o acompanhamento (33,2%); um grupo episódica, definidos como pacientes que tiveram uma úlcera persistente ou novo em apenas uma visita clínica (9,4%); um grupo recorrente, com pacientes com úlceras persistentes ou novos em duas ou mais visitas à clínica, mas não todas as visitas (46,2%); eo grupo crônica, que tinha úlceras persistentes ou novos a cada visita (11,2%).

“Acreditamos que essas quatro categorias melhor refletir o nível de carga da doença associada com úlceras digitais e pode ser útil na identificação de grupos de pacientes do ponto de vista de prognóstico”, Matucci-Cerinic e seus colegas.

Mais de 80% das pacientes em cada grupo eram do sexo feminino. As características mais comuns da doença foram fibrose e gastrointestinais manifestações pulmonares e, em geral, os pacientes na categoria crônica tiveram mais grave da doença, sendo mais jovem no momento da inscrição no Registro e primeira ocorrência de úlcera e mais frequentemente com fibrose pulmonar.

A presença de três ou mais úlceras digitais na altura do recrutamento foi relatada em 53,4% do grupo crónica em comparação com apenas 8,9% do grupo sem úlceras, 14,1% do grupo episódica, e 23,1% do grupo de repetição.

Além disso, 60,4% dos doentes na categoria crónica teve-Scl-70 anti-anticorpos, que estão associados com fibrose pior, em comparação com 36% do grupo sem úlceras.

Infecções de tecidos moles também foram mais comuns no grupo crônica, ocorrendo em 61% dos pacientes ao longo dos 2 anos de follow-up, e em 36,4% do grupo recorrente, 16,1% do grupo episódica, e 3,6% da crônica grupo.

Um padrão semelhante foi observado para as internações, relatado por 52,4%, 41,5%, 22,6% e 10,9% da crônica, recorrente, episódica, e não-úlceras grupos, respectivamente.

Pacientes na categoria crônica também relataram comprometimento trabalho de 50% em comparação com 10% na categoria de não-úlcera.

Os pesquisadores então olhou para possíveis fatores preditivos para o desenvolvimento de complicações no grupo crônico, e encontraram associações com manifestações gastrointestinais ES (OR 3,73, IC 95% 1,14-12,20, P = 0,03) e história de infecção dos tecidos moles (OR 5,86, 95 % CI 1,53-22,41, P = 0,01).

“Os presentes dados confirmam que as úlceras digitais são um fardo significativo em pacientes com ES, e, além disso, sugerem que mais severamente afetados subgrupos pode ser identificada na prática clínica”, escreveram os pesquisadores.

A utilização deste sistema de classificação, também pode ser apropriado em ensaios clínicos, anotaram.

“Em resumo, estas quatro novas categorias podem definir melhor os pacientes na clínica com um fardo úlcera digital de alta que pode se beneficiar de terapia adicional de prevenção e, consequentemente, têm melhora no funcionamento e qualidade de vida”, concluíram.

Uma limitação do estudo foi a possibilidade de viés de seleção para os casos mais graves sejam incluídos no registo.

O registro Resultado Digital Úlcera foi patrocinado pela Actelion Pharmaceuticals.

Matucci-Cerinic e co-autores declararam relações relevantes com Actelion Pharmaceuticals, Pfizer, GlaxoSmithKline, Bristol-Myers Squibb, a Abbott, a Takeda, Inventiva, CSL, Behring, e Novartis.

  • Avaliado por Robert Jasmer, MD Professor Clínico Associado de Medicina da Universidade da Califórnia, San Francisco e Dorothy Caputo, MA, BSN, RN, enfermeira Planner

ULTIMA ATUALIZAÇÃO 2015/03/12

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s