Não categorizado

CONFIRA; ASSINTOMÁTICA ARTRITE JUVENIL IDIOPÁTICA EM CRIANÇAS ARTRITICAS

Confira assintomática TMJ em crianças artríticas

A maioria dos sintomas comuns foram dor na função, sons articulares, dor em repouso.

  • por Wayne Kuznar
    escritor contribuindo

Pontos De Ação

A ressonância magnética (RM) é um método confiável para detectar articulação temporomandibular (ATM) envolvimento na artrite idiopática juvenil (AIJ), mesmo na ausência de sintomas, de acordo com pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo, Brasil.

Envolvimento da ATM é altamente prevalente em pacientes com AIJ, e porque a detecção precoce pode melhorar os resultados “, a ATM sempre deve ser cuidadosamente avaliada em pacientes com AIJ, mesmo na ausência de sinais e sintomas”, Liete ML Figueiredo Zwir, DDS, MS, da Universidade Federal de São Paulo , e os associados escrever on-line naClinical Rheumatology .

Seu estudo longitudinal foi projetado para investigar a associação entre os achados clínicos e de ressonância magnética no ATMs de pacientes com AIJ. Setenta e cinco pacientes (idade de início da doença, a 6 anos) com AIJ foram submetidos à avaliação dos sintomas, um exame reumatológico, um exame TMJ realizados por um único dentista, e uma ressonância magnética com contraste das ATMs. A média de idade no momento da primeira avaliação foi de 12,4 anos. Os exames foram repetidos um ano mais tarde.

Os pacientes foram divididos em três grupos: aqueles com doença ativa, aqueles com remissão clínica com medicação, e aqueles com remissão clínica sem medicação.

Apenas 37,3% dos pacientes relataram sintomas na primeira avaliação e 14,7% na segunda avaliação. Os sintomas mais comumente relatados foram dor na função, sons articulares e dor em repouso.

Alguns 46,7% dos pacientes apresentaram pelo menos um sinal na primeira avaliação e 38,7% na segunda avaliação. Os sinais mais comuns foram dor na ATM palpação, a capacidade de abertura bucal restrita, e TMJ crepitus.

Capacidade de abertura da boca entre 21 e 58 milímetros na primeira avaliação e 30-61 mm na segunda avaliação. Dezenove pacientes na primeira avaliação e 10 na segunda teve capacidade de abertura da boca <40 mm. A média da capacidade de abertura máxima da boca estava significativamente pior, em pacientes com doença activa, tanto o primeiro ( P <0,001) e segundo ( P = 0,021 avaliações).

Alguns 93,3% dos pacientes na primeira avaliação e 86,7% na segunda avaliação teve realce sinovial. Realce sinovial foi bilateral em 89,3% dos pacientes na primeira avaliação e em 77,3% na segunda avaliação, e foi significativamente associada com a forma da cabeça da mandíbula alterado em ambas as avaliações ( P = 0,007 e P = 0,003, respectivamente).

Vinte e seis (34,7%) pacientes na primeira avaliação e 25 (33,3%) na segunda avaliação teve realce intenso, que foi significativamente associada com a atividade da doença na primeira avaliação ( P = 0,0008), com os Poli / subtipos sistémicos ao duas avaliações ( P= 0,028 e P = 0,049, respectivamente), com erosões em ambas as avaliações ( P = 0,0001 e P <0,0001, respectivamente), e com a forma da cabeça da mandíbula alterado na segunda avaliação ( P = 0,0005).

Em ambas as avaliações, não houve associação entre a presença de dor à palpação da ATM ( P = 0,403 e P = 0,889, respectivamente) ou entre crepitação ( P = 0,110 e P = 0,0481, respectivamente) e realce de contraste intenso. Foi encontrada uma associação significativa entre a capacidade de abertura da boca <40 mm e intenso realce sinovial ( P= 0,013 e P = 0,0017 na primeira e segunda avaliação, respectivamente).

Pacientes com realce sinovial intensa tinha uma capacidade de abertura da boca menor média do que aqueles sem realce intenso em ambas as avaliações ( P = 0,001 e P <0,001, respectivamente).

Diferentes padrões de melhoria foram associados com erosões e alterou a forma da cabeça da mandíbula em pacientes com oligoarticular, poliarticular e subtipos sistêmicas, e em pacientes com ambas as durações doença curtas e longas.

Erosões foram detectados em 19,3% e 30,2% das ATMs na primeira e segunda avaliações, respectivamente, e foram associados positivamente com os poliarticular / subtipos sistêmicas ( P = 0,043) e com a atividade da doença ( P = 0,023) na primeira avaliação, e com maior tempo de doença ( P = 0,043). Côndilo deformidade foi detectado em 72,7% e 68% de ATMs na primeira e segunda avaliações, respectivamente, e foi positivamente associado com poliarticular / subtipos sistêmicos em ambas as avaliações ( P = 0,048 e P= 0,02, respectivamente) e com a atividade da doença ( P = 0,025) na primeira avaliação.

“Neste estudo, considerou-se a presença de realce de contraste como o principal recurso de diagnóstico do envolvimento da ATM em AIJ, como realce sinovial está bem estabelecida como um indicador da sinovite para outras articulações”, concluem os autores.

Eles acrescentam, “Devido às dificuldades em realizar TMJ MRI, não sugerimos a fazer este exame sem quaisquer restrições. No entanto, em pacientes com diminuição progressiva da capacidade de abertura da boca, este exame deve ser indicado.”

Os autores declararam não há interesses conflitantes.

O estudo foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

  • Avaliado por Robert Jasmer, MD Professor Associado Clínica de Medicina da Universidade da Califórnia, em San Francisco e Dorothy Caputo, MA, BSN, RN, enfermeira Planner

ULTIMA ATUALIZAÇÃO 2015/04/27

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s